01/11/2019 às 12h49min - Atualizada em 01/11/2019 às 12h49min

Justiça absolve padrinho que matou homem suspeito de agredir afilhada de 4 anos

Réu alegou que agiu após saber que afilhada estava sendo agredida por padrasto

Dayene Paz
midiamax

Acusado de matar a tiros um homem suspeito de agredir sua afilhada de 4 anos, Patric Insfran Freire foi absolvido pelo Conselho de Sentença durante julgamento nesta quinta-feira (31) em Campo Grande. Patric era padrinho da criança e disse durante depoimento que atirou em Hudson Franco, 30 anos, porque ele agredia a menina.

Perante o juiz Carlos Alberto Garcete de Almeida e também dos jurados, o Ministério Público pediu a condenação de Patric nos termos da pronúncia, ou seja, pelo homicídio qualificado por motivo torpe e pelo crime de porte ilegal de arma de fogo.

Já os advogados que defendem Patric sustentaram a legítima defesa putativa, quando o réu age para se defender de uma situação de perigo. A defesa também pediu o reconhecimento do homicídio privilegiado, que também causa diminuição de pena, conhecido também como “domínio da violenta emoção”. Em finalização aos argumentos sobre o homicídio, os advogados pediram o afastamento da qualificadora de motivo torpe, já que Patric teria cometido o crime ao saber das agressões sofridas pela afilhada.

Do crime de porte ilegal de arma de fogo, a defesa pediu a absolvição, mas por esse crime Patric foi condenado a dois anos de prisão, em regime aberto. O Conselho de Sentença acatou a tese da defesa de legítima defesa putativa e absolveu o réu do crime de homicídio.

A acusação foi feita pela promotora Lívia Carla Guadanhim, que chegou a pontuar que as acusações feitas a Hudson sobre denúncias e boletins de ocorrência não chegaram a ir adiante e foram arquivados. Já a defesa, feita pelos advogados Ricardo Wagner Pedrosa Machado Filho e William Wagner Maksoud Machado chegou a citar Isabella Nardoni durante os questionamentos ao réu.

Julgamento

Em depoimento, Patric contou que foi escolhido pelo pai da menina de 4 anos para ser o padrinho porque os dois eram muito amigos e que, desde o nascimento da criança, ele estava presente. Por motivos não informados a menina foi criada pela avó materna e pela mãe, sem relação com o pai biológico, mas Patric acompanhava o crescimento da menina.

Ele contou que quando a mãe da criança começou a namorar Hudson, ninguém teve problemas com ele, mas que algum tempo depois a criança começou a aparecer com marcas. O padrinho tinha contato com a menina algumas vezes por semana e contou que como ela já estava falando, dizia que era o padrasto que a agredia.

A família chegou a procurar a polícia e o Conselho Tutelar e também houve suspeita de pedofilia por parte do padrasto. A criança foi levada a um posto de saúde, porém a mãe e o padrasto ficaram responsáveis de levar ela até o Conselho Tutelar.

Segundo Patric, há suspeita de que Hudson tenha coagido a criança a dizer que um priminho dela de 6 anos era quem estava a agredindo e abusando. No dia do crime, Patric conta que estava na casa de uma amiga da mãe da criança usando o computador e, quando foi procurar músicas, achou uma pasta com vários áudios.

Ele começou a ouvir os áudios, que eram ligações gravadas entre a amiga e a mãe da menina, e contou ao júri que a mulher relatava que Hudson estava agredindo a criança, também que estava assustada. Patric contou ainda que Hudson era perigoso, costumava brigar na rua e já até teria agredido outras pessoas da família, por isso pegou uma arma que tinha e foi até a casa dele tirar satisfações.

Quando chegou na residência, chegou a ser empurrado e ameaçado por Hudson, que se virou e entrou em outro cômodo. Patric disse que nesse momento tirou a arma da cintura e quando Hudson voltou, ele atirou, por achar que o homem teria ido buscar uma arma de fogo. Patric não chegou a ser encontrado ou preso em flagrante e aguarda julgamento em liberdade.

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Moeda Valor
Servidor Indisponível ...