07/02/2020 às 09h56min - Atualizada em 07/02/2020 às 09h56min

Para sair médico da UEMS, estágio no interior do MS será obrigatório

Alunos vão receber bolsa de R$ 800, hospedagem e moradia para atuar por dois meses em um dos 25 municípios inscritos no projeto

Tainá Jara
campograndenews
Alunos do 6° ano do curso de Medicina participaram da assinatura do convênio com o governador Reinaldo Azambuja (Foto: Tainá Jara)

Estágio em cidades do interior de Mato Grosso do Sul agora faz parte do projeto pedagógico do curso de Medicina da Uems (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) e será obrigatório para pegar o diploma no final do curso. Convênio com o governo do Estado, assinado na tarde desta quinta-feira, vai permitir conceder bolsa de R$ 800, além de alimentação e hospedagem para cada aluno.

Eles vão atuar por cerca de dois meses em um dos 25 municípios inscritos no projeto. De acordo com o reitor da UEMS, Laércio Alves de Carvalho, o chamado internato regional vai começar na turma de 48 alunos que ingressou em 2020 no 6° ano de Medicina, depois de passar por cinco anos de internato em Campo Grande, onde é ministrado o curso.

“O internato regional no interior do Estado é justamente para que o aluno possa atuar dentro das condições que são colocadas ali no interior e, com isso, gerar um grande impacto para comunidade do interior que tem uma dificuldade de ter médicos”, ressaltou.

Nesta primeira edição do projeto, inédito entre as universidades públicas do Estado, será formado 12 grupos para circular pelo interior, cada um com dois médicos. Prefeito do município de Jateí, distante 288 quilômetros da Capital, Eraldo Jorge, afirma que há no município carência de atendimento nos assentamentos e postos de saúde.

“Eles vão atuar nas unidades básicas e no único hospital da cidade. Carecemos de atendimento rotineiro, especialmente durante a noite, em regime de plantão. Os estagiários vêm para atender essa demanda. Isso contribui muito. Nós gostaríamos que fosse ininterrupto, mas, mesmo por esse período, ajuda a atender a nossa necessidade”, explicou.

De acordo com o governador, Reinaldo Azambuja, os formandos são uma mão de obra qualificada, por estarem sendo acompanhados de médicos já formados, para atuar em área com grande dificuldade de atrair profissionais. “Será para uma melhor qualificação. É extremamente importante para sentir a rotina da atenção básica e o contato com os pacientes, com a realidade de cada um dos municípios”, destacou.

Pesquisa – O governador também assinou com a UEMS convênio para conceder recursos para incentivar a publicação de pesquisas dos programas de pós-graduação da instituição.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »